Comprovando a Renda após Contemplação de Consórcio

De modo geral, quando alguém assina um contrato de consórcio, o objetivo é quase sempre o mesmo: a realização de um sonho. Seja um consórcio de imóveis, automóveis ou serviços, o grande desejo de adquirir um bem com valor elevado é praticamente unânime.

E o consórcio se torna uma ótima opção para a realização destes sonhos, pois existe a possibilidade de contemplação com uma carta de crédito antecipadamente.

Ao ser contemplado em um consórcio, alguns documentos são necessários para liberação da carta de crédito. Um destes, é a comprovação de renda.

E é sobre este assunto específico que este texto vai abordar.

Contemplação e a comprovação de renda

Caso um consórcio de 10 anos com valor final de R$ 240.000,00 seja feito, você poderá receber o valor completo do contrato já no primeiro mês. Essa situação é ótima, pois você não precisa esperar todo o tempo do contrato para receber o valor para adquirir o seu bem.

Contudo, imagine esta situação: uma pessoa assina um contrato de 10 anos com parcelas de R$ 2 mil reais por mês. Depois de 3 meses (ou seja, depois de pagar R$ 6 mil), o consorciado é contemplado por sorteio ou realiza um lance vencedor. E dessa forma, pode usufruir da carta de crédito com o valor final de R$ 240.000,00.

É claro que existem taxas de administração envolvidas nestes valores, porém para fins didáticos elas não serão consideradas aqui.

Neste sentido, uma pessoa que pagou apenas R$ 6 mil em parcelas do consórcio, ganha o direito de usufruir de um valor de R$ 240.000,00.

Porém, o contrato continua valendo, e ainda será necessário pagar R$ 234.000,00 até o fim dos 10 anos do consórcio.

Pensando nisso, existem alguns documentos que devem ser apresentados pelo consorciado contemplado, a fim de que possa utilizar a carta de crédito tranquilamente. Além disso, mostrar que é capaz de honrar com as próximas parcelas.

Como comprovar minha renda

Existe um cálculo que pode ser feito para que você entenda o valor da renda que deverá ser comprovada para a liberação da carta de crédito.

Além disso, é essencial que você leia com atenção o contrato do consórcio, pois esta informação estará presente lá. Como muitas pessoas acabam não fazendo esta leitura completa do contrato, algumas informações são omitidas pelos bancos ao vender um consórcio.

Contudo, considerando que você leia o contrato completo, este conhecimento será importante para você ter maiores chances de realizar lances para antecipação da carta de crédito de forma estratégica.

E mais importante ainda, conseguir resgatar a sua contemplação quando esta acontecer.

Na maioria dos casos, o consorciado precisa conseguir comprovar um valor de 4 a 5 vezes da parcela do contrato. Utilizando nosso exemplo de um consórcio de R$ 2 mil por mês, você precisaria ter uma renda declarada entre 8 e 10 mil reais.

Contemplação por lance e comprovação de renda

Quando você é contemplado por sorteio, as parcelas do seu contrato seguirão com o mesmo valor até o final. Por isso, é preciso realizar o cálculo como mostramos acima.

Contudo, além da contemplação por sorteio, existem três tipos de contemplação por lance. E você precisa entender melhor as características dos lances. Afinal, um lance pode acabar diminuindo o valor das parcelas até o fim do contrato.

Vamos dar mais um exemplo para que você entenda com mais tranquilidade.

Imagine aquele mesmo contrato no valor de R$ 240.000,00 parcelado em 10 anos, com valor mensal de R$ 2.000,00.

Quando um consorciado apresenta um lance no valor de, digamos, 20% do valor, este será abatido do valor final do contrato.

Neste momento, dependendo das condições do contrato, o consorciado pode escolher entre:

  1. Diminuir o número de parcelas, mas seguir com o mesmo valor mensal.
  2. Continuar com o número de parcelas, mas diminuir o valor mensal.

Dessa forma, o consorciado realiza um lance de 20% do valor restante do contrato, no valor de R$ 46.800,00.

E como o seu objetivo é conseguir comprovar sua renda de 4 a 5 vezes o valor da parcela, opta pela opção 2 explicada acima.

Assim, considerando que foram pagas somente as 3 primeiras parcelas no valor de R$ 2.000,00 cada, este valor mensal passará para R$ 1.600,00 até o final do contrato.

E por fazer isso, consequentemente, o valor necessário para comprovação de renda também diminui. Ao invés de ter entre R$ 8 e 10 mil reais, você precisará comprovar entre R$ 6.400,00 e R$ 8.000,00.

Declaração do Imposto de Renda

Uma das formas de realizar a comprovação de renda é através da declaração atual do imposto de renda. Independentemente se o consorciado for uma pessoa física ou jurídica, o principal documento solicitado para comprovação de renda será esse.

Comprovantes de pagamento de salário

Para pessoas que trabalham como funcionários sob regime CLT, é normalmente solicitada a comprovação dos últimos três pagamentos de salário anteriores ao mês da contemplação.

Por outro lado, para quem trabalha como autônomo, é possível apresentar extratos bancários para comprovar a renda após contemplação.

E, para os aposentados pelo INSS, é solicitado o extrato dos pagamentos recebidos no último mês, ou cópia do cartão de benefícios no nome do consorciado.

Conclusão

Portanto, agora que você entendeu como funciona a comprovação de renda após a contemplação e tem até exemplos para se basear, é possível entender melhor como tudo isso funciona, não é mesmo?

Nós sabemos que são muitos detalhes envolvidos, e reforçamos a importância de ler todo o contrato do consórcio com atenção para evitar surpresas quando você for contemplado.

Deixe um comentário